CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > NECESSIDADE E URGÊNCIA DA QUEBRA DE PATENTE DA VACINA CONTRA O CORONAVÍRUS

Necessidade e urgência da quebra de patente da vacina contra o coronavírus

05/04/2021

Em sua coluna no Portal 247, o presidente da Contracs, Julimar Roberto, defende quebra de patente da vacina contra o coronavírus para que produção do imunizante tenha custo mais acessível

Escrito por: Julimar Roberto

Se aproveitar desse momento aterrador para lucrar é, no mínimo, desumano. Talvez seja o degrau mais alto que se possa alcançar da crueldade. Esse é um argumento que, por si só, já é suficiente para que defendamos a quebra de patentes das vacinas contra a Covid-19. Mas nosso clamor ganha força ao imaginarmos que, no ritmo em que os imunizantes estão sendo fabricados e distribuídos, países pobres vacinarão suas populações somente a partir de 2024.
 
Os números também comprovam a urgência da busca de alternativas que facilitem a transferência de tecnologias que venham a possibilitar uma produção de vacinas a custo mais acessível. No mundo, já são 2,81 milhões de vidas ceifadas pela pandemia da covid-19, no total de mais de 128 milhões de casos.
 
Como alternativa à crise, vem a proposta de suspensão das proteções de propriedade intelectual dos imunizantes contra a Covid-19, a exemplo do Brasil, reconhecido mundialmente na década de 1990 por seu programa de quebra de patentes de medicamentos para o tratamento da Aids.
 
A ideia, encabeçada por Índia e África do Sul, e apoiada por cerca de 80 países, foi apresentada em outubro do ano passado e bloqueada pelos Estados Unidos de Trump, a União Europeia e outras nações desenvolvidas. Entre os países de renda média e baixa, o Brasil foi o único a se posicionar contra a proposta. Mas não é de se estranhar, considerando que o governo brasileiro, desde o início, banalizou a pandemia, tripudiou do coronavírus, menosprezou a ciência e incitou o descumprimento de todas as regras de segurança que foram universalizadas para combater a disseminação do coronavírus.
 
Aos que se opuseram à medida, só queremos lembrar que as grandes corporações farmacêuticas receberam investimentos milionários em recursos para desenvolverem os imunizantes. A Johnson & Johnson e a AstraZeneca receberam, cada uma, 1,5 bilhão de dólares de fundos públicos, enquanto a parceria entre Pfizer e BioNtech recebeu mais de 500 milhões de dólares.
 
Neste contexto, é injusto considerar a proteção de monopólios, já que estamos em meio ao caos global. Trata-se do momento de priorizarmos a vida em todos os locais do globo e gerarmos condições para combater os abismos sociais e econômicos que foram – ainda mais – aprofundados com a pandemia. O acesso à vacina precisa ser democratizado e o sentimento que deve imperar nesse momento é o de solidariedade universal.  
 
Por isso, no próximo dia 7 de abril, haverá uma ação global, na qual pessoas e organizações do mundo inteiro exigirão a quebra da patente das vacinas contra a Covid-19, defendendo o direito de imunização a todos os povos do planeta. Faça parte e vamos engrossar as fileiras nessa luta pelo direito universal à vacinação.
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br