CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > “TRABALHADORES, LUTAR SEMPRE E DESISTIR JAMAIS”, DIZ LULA NO 1º DE MAIO UNIFICADO

“Trabalhadores, lutar sempre e desistir jamais”, diz Lula no 1º de Maio Unificado

03/05/2021

Ex-presidente levou esperança aos brasileiros neste 1º de Maio marcado por desemprego, pandemia e a volta da fome. Além de Lula, Dilma Rousseff falou à nação

Escrito por: Rosely Rocha e Marize Muniz

A fala do ex-presidente Lula no encerramento do ato em comemoração ao 1º de Maio Unificado da CUT e demais centrais - Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Pública e CGTB – foi de  esperança ao povo brasileiro, apesar da tragédia econômica, social e sanitária. “Trabalhadores, lutar sempre e desistir jamais”, disse Lula.
 
O ato virtual do 1º de Maio reuniu, pela primeira vez, também a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) que lembrou a tragédia por que passa o país e as vítimas do coronavírus. 
 

Lula: Vamos reconstruir esse país juntos, de novo

Em seu discurso, o ex-presidente Lula reafirmou que a sua confiança no povo brasileiro é bem maior do que a “dessa gente”, se referindo ao atual governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL), “que está destruindo o nosso país, mas o Brasil vai dar a volta por cima”, ressaltou Lula.
 
“Não podemos perder a esperança por que a primeira coisa que nossos inimigos tentam matar é nossa esperança, e um povo sem esperança está condenado a aceitar migalhas, a ser tratado como gado a caminho do matadouro, como se não houvesse outro jeito”, afirmou.
 
"Nós já provamos que existe outro jeito de governar, que é possível garantir a cada trabalhador e a cada trabalhadora um salário digno, a segurança da carteira assinada, do 13º e as férias remuneradas, para descansar, ou viajar com a família. É preciso acreditar que o Brasil pode voltar a ser um país de todos", disse o ex-presidente. 
 
Antes, da mensagem de esperança, Lula citou todos os números da tragédia brasileira, falando do total de desempregados (14,4 milhões de trabalhadores) e desalentados (6 milhões), além dos motoristas de aplicativos que, ressaltou o ex-presidente,  não têm direito a nada. Lula também falou sobre a tragédia provocada pela pandemia do novo coronavírus, lembrando que a doença não foi levada a sério por  Bolsonaro, sem citar o nome do atual presidente.
 
“O Brasil, o povo, as trabalhadoras e os trabalhadores, as crianças e os jovens aposentados não deveriam estar por passando tanto sofrimento, indignados diante de tanta injustiça”, disse o ex-presidente.
 
Confira a íntegra do discurso de Lula neste 1º de Maio
<iframe width="700" height="768" src="https://www.youtube.com/embed/ZAqrqAA9Q6E" title="YouTube video player" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>
 
 

Dilma: este 1º de Maio é de luta pela reconstrução do Brasil

A ex-presidenta Dilma citou os mortos pela Covid-19, as 400 mil vidas perdidas, a crise econômica sem precedentes com quase 15 milhões de brasileiros desempregados, 32 milhões de subempregados, disse que quatro a cada dez trabalhadores exercem atividades precárias, entre as mazelas da classe trabalhadora neste 1º de Maio, e lembrou como era diferente nos governos progressistas.
 
“Vivemos uma catástrofe sanitária social e o país está submetido a comportamento genocida de um governo que despreza a vida; que revogou direitos dos trabalhadores alcançados ao longo de 13 anos de governos progressistas”, disse Dilma.
 
“Sob este governo neoliberal fascista, fábricas estão fechando e deixando milhares de operários desamparados, pequenos negócios entram em  falência sem nenhum apoio“, completou a ex-presidenta, que lembrou ainda da população vulnerável, sem auxílio emergencial de R$ 600, os mais de 100 milhões de brasileiros vivendo com menos de R$ 413 reais por mês, antes mesmo da pandemia, e as infames condições de trabalho precário; o trabalho intermitente legalizado  pela reforma trabalhista, responsáveis por produzir níveis devastadores de fome, miséria e morte.
 
Mas Dilma também não perdeu a esperança. Segundo ela, este 1º de Maio, é de luta pela reconstrução do Brasil. “A reconstrução tem de começar pela garantia de vacina pública e gratuita para todos, uma renda emergencial digna de no mínimo R$ 600, a extinção da emenda teto de gastos e a defesa intransigente da soberania nacional. Devemos enfrentar esse governo neofascista, sua política neoliberal genocida, ao custo do sofrimento da população”, afirmou Dilma.
 
“Apesar de toda esta tragédia”, continuou, “este mês de maio também se manifesta a força da esperança. O reconhecimento da inocência de Lula é uma vitória da Justiça e da democracia e abre uma forte perspectiva para a luta e a harmonização do povo brasileiro”, disse Dilma.
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br