CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > BRASIL, 2022: CRIANÇA LIGA PARA A POLÍCIA PEDINDO COMIDA

Brasil, 2022: criança liga para a polícia pedindo comida

04/08/2022

Drama de família mineira revela efeitos do desmonte das políticas de combate à fome e mostra que auxílio de Bolsonaro é insuficiente

Escrito por: Portal Partido dos Trabalhadores

 

Oito anos depois de o Brasil sair oficialmente do Mapa da Fome, um telefonema feito por um menino de 11 anos para a Polícia Militar, na Grande Belo Horizonte, dá a dimensão do quanto o Brasil andou para trás e do abandono em que vive a maioria dos brasileiros.
 
Ao ver a mãe chorando por não ter o que dar de comer aos seis filhos, na última terça-feira (2), o pequeno Miguel pegou o celular da mãe e ligou para o serviço 190 implorando por comida. O caso chamou a atenção da imprensa, que entrevistou a mãe do menino.
 
Moradora do município de Santa Luzia, Célia contou que está desempregada e, para pagar todas as contas e alimentar a família, tem apenas com o Auxílio Brasil mais R$ 250 enviados pelo pai das crianças. “Mas não é todo o mês que ele manda”, ressaltou.
 
Como chegamos a esse ponto?
A história de Célia e seus filhos chamou a atenção pela iniciativa de Miguel. Mas está longe de ser um caso isolado no Brasil. A cada momento, novos levantamentos dão conta da tragédia alimentar que o Brasil vive.
 
Dados do Datafolha divulgados na quarta-feira (4) mostram que um em cada três brasileiros dizem que a quantidade de comida em casa nos últimos meses não foi suficiente para alimentar a família. Em junho, um relatório apontou que 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil. E, no mês passado, a ONU apontou que 61,3 milhões de brasileiros vivem com algum tipo de insegurança alimentar.
 
Como já repetiu Lula diversas vezes, a fome não é um fenômeno da natureza, mas “falta de vergonha na cara de quem governa o país”. E não há como não responsabilizar Jair Bolsonaro por essa situação.
 
Em seu primeiro dia de desgoverno, o ex-capitão anunciou o fim do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), criado por Lula 16 anos antes. Foi só a primeira medida de Bolsonaro contra as políticas de combate à fome.
 
Em seguida, ele congelou o salário mínimo; abandonou a agricultura familiar, que produz 70% do que comemos; deixou o preço dos alimentos disparar; tirou dinheiro da merenda escolar; destruiu o Bolsa Família.
 
Auxílio insuficiente
Quando a pandemia veio, Bolsonaro se opôs ao auxílio emergencial de R$ 600, que só saiu porque o Congresso assim determinou. Mesmo assim, o atual presidente logo abaixou o valor e chegou a suspendê-lo por três meses.
 
LEIA MAIS: R$ 600 não acabam com a fome nem resolvem vida dos mais pobres; entenda
 
Agora, perto das eleições, voltou a dar os R$ 600, que não são mais suficientes, pois o desemprego continua alto e o preço dos alimentos não para de subir. Resultado: o povo passa fome, e quem mais sofre são as mulheres e as crianças negras, como Célia e Miguel.
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br