CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > MG: ACIDENTE QUASE CAUSA TRAGÉDIA EM REFINARIA DA PETROBRÁS

MG: Acidente quase causa tragédia em refinaria da Petrobrás

18/08/2017

Vazamento de diesel contaminado poderia ter provocado explosão na refinaria de Betim (MG)

Escrito por: FUP e Sindipetro-MG

Um vazamento de diesel contaminado quase provocou uma tragédia na unidade de hidrotratamento U-110, na Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG). O acidente aconteceu no início da tarde de terça-feira (15) e foi preciso evacuar a área. Por sorte, não houve explosão nem registro de vítimas.

Segundo relato de operadores, um furo de aproximadamente 12cm provocou o rompimento da linha de diesel da saída do reator, depois do trocador E-03. Ao que tudo indica, esse furo ocorreu por corrosão severa na linha, provavelmente, devido à falta de manutenção. Além disso, o dano ocorreu após a curva da linha, trecho onde geralmente não é realizada inspeção.

Até a última notícia, a unidade ainda estava sendo drenada e com suas operações suspensas. Por isso, também não foi possível precisar a dimensão do dano causado à linha.

As causas do acidente ainda serão apuradas e o Sindipetro/MG está acompanhando o caso e, inclusive, já participou da reunião da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) realizada na refinaria um dia após o registro da emergência.

Segundo o coordenador do Sindipetro/MG, Anselmo Braga, o acidente foi muito grave. "Só não houve morte na refinaria porque o pronto atendimento dos operadores e da equipe de combate a emergências foi eficaz. O acidente tinha potencial para causar uma explosão na unidade". Ele também cobrou da Petrobrás uma séria apuração sobre as causas do vazamento, que colocou em risco a vida dos petroleiros e também da comunidade no entorno da refinaria.

Risco anunciado

O Sindipetro/MG já vinha alertando para a redução das manutenções e do tempo e serviço realizado nas paradas de manutenção das unidades do Sistema Petrobrás. A U-110 é uma das mais antigas da Regap e o acidente registrado na última terça-feira pode estar associado ao desgaste da linha.

Outro fator que também tem elevado consideravelmente o risco de acidente em todas as refinarias do País é a falta de efetivo. No caso da Regap, a redução de pessoal tem sido provocada principalmente pela saída de trabalhadores no PIDV irresponsável da Petrobrás. Operadores experientes estão deixando a empresa e empregados de outras refinarias estão sendo transferidos para Minas para operar as unidades sem o devido treinamento.

Além disso, a Regap tem funcionado com excesso de dobras e horas extras, o que também aumenta o risco de acidentes e pode prejudicar a efetividade na contenção de danos em caso de emergências.

FUP alerta ANP que refinarias estão à beira de uma tragédia

Em reunião na terça-feira (15) com a Superintendência de Produção de Combustíveis da Agência Nacional de Petróleo (ANP), a FUP tornou a cobrar uma atuação efetiva do órgão para garantir a segurança dos trabalhadores do Sistema Petrobrás, que estão na iminência de um grande acidente industrial nas refinarias. Várias denúncias já foram protocoladas e apresentadas à ANP, relatando os graves riscos a que os petroleiros estão expostos, em função das reduções de efetivos decorrentes dos últimos PIDVs (Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário).

O Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional (SGSO), instituído pela Agência em 2007, tem sido reiteradamente descumprido pelos gestores da Petrobrás, fato que se agravou nos últimos meses, com a saída em massa de trabalhadores que aderiram ao PIDV e a reestruturação de efetivos que a empresa vem impondo às refinarias. Os dirigentes sindicais denunciaram à ANP que os estudos de efetivos implementados pela Petrobrás foram feitos unilateralmente pela empresa, sem envolver os sindicatos e sem análises de riscos. Os petroleiros alertaram que as medições de tempos de rotinas de trabalho utilizadas no estudo são fictícias, pois, além de não atenderem a realidade das refinarias, foram feitas como uma espécie de conta de chegada, para readequar os efetivos que foram drasticamente reduzidos pelos PIDVs.

A FUP ressaltou que as refinarias estão se transformando em fábricas de acidentes e alertou para a possibilidade de uma tragédia anunciada, como aconteceu na década de 80 na cidade de Bhopal, na Índia, onde um vazamento de gás na fábrica de agrotóxicos Union Carbide matou cerca de 15 mil pessoas (foto) e deixou mais de 150 mil intoxicados durante anos. Assim como acontece na Petrobrás, o vazamento de Bhopal ocorreu na sequência de uma série de acidentes e incidentes, causados pela redução dos efetivos de trabalhadores a menos da metade. Na sala de controle da fábrica, por exemplo, apenas um operário monitorava mais de 70 painéis.

A Superintendência de Produção de Combustíveis da ANP informou que está atenta às denúncias da FUP, que continuará realizando as inspeções de fiscalização nas unidades da Petrobrás e solicitou que as próximas denúncias sejam encaminhadas com o máximo de detalhes possível. Os dirigentes sindicais cobraram ações contundentes para que os petroleiros tenham seu direito à vida garantido, com condições seguras de trabalho. 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Facebook Twitter Contracs Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Conexão Sindical Rede Brasil Atual

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br